Uma história de amor, uma visão sem preconceito – It’s time

Seguindo a linha do meu post anterior, venho de novo falar sobre igualdade de uma forma simples, porém objetiva. Igualdade a ponto de se poder amar uma pessoa, e compartilhar com ela todos os pequenos momentos da sua vida.

Como eu não quero tirar a intensidade do vídeo, aperte o play e depois eu continuo o post:

É estranho pensar que, em algum momento histórico, o amor passou a ser uma instituição e não um sentimento. Não se controla o amor, não se escolhe o amor, não se limita o amor. Muito pelo contrário: ele está em falta. Precisamos cultivá-lo e se multiplicá-lo o máximo possível.

Ver esse vídeo me lembrou o quanto as pessoas se podam diariamente – seja por pressão externa ou por problemas internos de aceitação – e o quanto deixam de sentir seus próprios sentimentos neste processo. O amor não pode ser burocrático, ele está nas pequenas coisas, na simplicidade, assim como retrata o vídeo.

A produção é da GetUp! e você pode acessar o site deles por aqui.

Se assim como eu, você também gostou da trilha, é só clicar aqui.

E se você curtiu, compartilhe. Este é o tipo de mensagem que precisa ser espalhada e entendida, de uma vez por todas.

Banner de destaque

(Dica da @cassita / Fonte: Comunicadores)