“Acho melhor desmarcar”

“Acho melhor desmarcar”

Você tem um grupo de amigos, e está com saudade deles por N motivos. Você resolve marcar um encontro com eles e, na hora H, todos resolvem desmarcar. Esta história soa familiar para você?

Antes de sair atirando pedras, volte um pouco na história: se você está com saudades, significa que não tem um contato próximo com esses amigos há tempos. E isso diz muita coisa: algumas vezes você não tem ideia do dia a dia deles, e eles podem estar com algum problema. Seja uma gripe forte, ou talvez estejam empenhados em estudos, ou mesmo sem dinheiro – acontece com frequência.

Eles provavelmente também estão com saudades, pois confirmaram em uma primeira instância. Mas depois, ao olhar para os seus problemas pessoais, eles acabaram encontrando um impeditivo e, por vezes, ficaram sem graça de desmarcar. O primeiro que criou coragem deu um pontapé ao segundo, até que todos acabam por desmarcar.

E quanto mais o tempo passa, mais recorrentes são estes problemas e impeditivos.

Vamos agora analisar o outro lado, o seu: você está MORTO de saudades. Tanto que, por mais que tenha seus próprios problemas e impeditivos, moveu pequenas montanhas para que aquele encontro acontecesse. Você se programou inteiro, fez contas ou até já comprou coisas com um dinheiro que talvez faça falta, mas você estava MORTO de saudades e o fez sem pestanejar.

A moral da história é simples: amigos são indispensáveis, e o contato recorrente é o que te mantém próximo a eles. Perder o bonde é um perigo pois, se você deixar passar muitos, talvez não consiga nunca mais alcançar quem já embarcou no primeiro. E tem mais: amigo de verdade, aquele que quer o seu bem, move as pequenas montanhas do dia a dia para te encontrar.