Ensaio sobre o PMDB

Ensaio sobre o PMDB

O carro está sem freio, acelerando rumo a um muro. Os passageiros do bando de trás, que estavam até agora curtindo a viagem, pulam porta afora com a desculpa de que vão tentar resolver o problema do lado de fora. Talvez até criar um novo carro, do jeito deles.
 
Ao lado da motorista, um único passageiro se mantém. Ele poderia ajudar a puxar o freio de mão ou pensar em alguma solução para evitar o acidente. Mas ele está rindo, esperando a hora certa de puxar o volante para o carro bater de um jeito que ele saia ileso, e a motorista se ferre.
 
A pessoa por trás do voltante, desesperada por não saber dirigir um carro deste tamanho e sem apoio, tenta achar saídas onde elas simplesmente não existem. Ela tenta deixar o cinto de segurança mais firme, ao invés de pensar em uma forma de levar o carro para outra rota – e tomar cuidado para que ela também não seja de colisão. Ela esquece que, se pegar uma rua íngreme para cima, o carro desacelera sem precisar de nenhuma freada brusca.
 
A única coisa que é certa nesta história, por enquanto, é de que o carro vai bater no muro.
Onde você estará neste instante: no motor, na carroceria ou no porta-malas?