Esta carta é para você, daqui 10 anos…

Esta carta é para você, daqui 10 anos…

Querido eu, daqui 10 anos, tudo bem?

Espero que você tenha continuado a ser quem você era em 2015: um cara alegre, que usa roupas malucas, sorri para tudo e para todos, gosta do seu trabalho, ama e cuida sua família. Você nunca foi um cara normal.

Lembra-se de quando você era adolescente e te taxavam de “esquentadinho”? Isso porque você retrucava toda vez que era colocado em uma posição desconfortável. Ninguém olhava para o que tinha feito você ficar com irritado, mas sim para a sua reação – e isso era ainda mais frustrante.

Foi em 2015, passados seus 30 anos, que você aprendeu a driblar esse problema. As pessoas até estranharam sua mudança de postura. Foi uma solução simples, mas você demorou a descobri-la: na verdade você só parou de se esconder no cantinho, onde era sempre encurralado.

Pois bem, dizem por aí que não podemos ensinar novos truques para cachorros velhos – mas a gente nunca levou isso a sério! Então estou aqui para te ensinar uma coisa: você precisa aprender a se amar.

É estranho isso vir de você mesmo, só que mais novo né? Afinal: se eu sou você, e estou te ensinando, não significa que você já o aprendeu? Bem, em partes: você insiste em desaprender isso de tempos em tempos.

Lembra-se do início desta carta? Você é um cara alegre, que usa roupas malucas, sorri para tudo e para todos, gosta do seu trabalho, ama e cuida sua família. Você não é normal, e é isso que te faz especial.

Agora, com 40 anos, você deve estar passando por um daqueles momentos em que se perde um pouco das suas origens. Eu sei, porque aconteceu comigo aos 30, e com a gente aos 20.

Ame-se sempre, acima de tudo.

E por favor, avise o nosso eu daqui 10 anos de novo.
Ele com certeza precisará disso…