Eu sei que você não vai ler porque o título não é interessante

Senso comum.

Comodidade.

Limitação.

Mau-humor.

Sabia que Facebook pode te deixar burro e chato? Podemos até colocar a culpa no algoritmo, que entende nossos trejeitos e as coisas que costumamos “curtir” e passa a nos entregar sempre o “assunto mais interessante para você”, mas a verdade é que você é o único culpado pela burrice da rede. O algoritmo é apenas uma representação lógica da sua conduta, não da sua personalidade projetada para o mundo.

Recentemente um artigo (ótimo) foi excessivamente compartilhado na rede, e falava sobre o porque da Geração Y ser tão triste. O resultado do texto é óbvio: as pessoas projetam imagens sobre elas e deturpam a realidade. Isso porque projetamos uma personalidade na internet que não reflete – em quase nada – quem realmente somos.

Por que a Geração Y está triste (clique para ler em inglês)
Por que a Geração Y está triste (clique para ler em inglês)

Agora responda com sinceridade: quando foi a última vez que você…

  • … saiu da sua zona de conforto e foi buscar algo diferente na rede?
  • … buscou entender uma segunda interpretação de um texto?
  • … entendeu uma opinião divergente da sua não como errada, mas como diferente e aceitável?
  • … parou para ler um texto num blog ao invés de 15 piadas no Facebook?
  • … leu algo que mudou a sua maneira de pensar, e você realmente mudou seu pensamento e suas atitudes?

Pois é: consumir uma informação tronou-se cômodo. Somos bombardeados todos os dias, o dia inteiro, por notícias e informações que as redes sociais consideram do seu interesse. E o que sai do nosso conforto não merece atenção. Vira e mexe aparece um vídeo de um animal fofo, ou um acidente inacreditável, ou uma mobilização por uma causa nobre. E é tudo muito lindo… Todos nós, juntos, até a próxima grande postagem.

O PODER DO “NADA”

1- Imagine que você tem um blog, e que você goste de escrever. Você procura por pautas interessantes, pesquisa, enxerga diferentes visões, escreve um texto e compartilha um ponto de vista. Isso normalmente demoraria um dia inteiro de pesquisa e produção, até mais.  O texto final pode até não ser do agrado de todos – nada é – mas se o processo foi feito com carinho, uma coisa é certa: não é um conteúdo para ser descartado.

2- Agora imagine um site que fabrica pegadinhas para você trollar seus amigos no Facebook: você indica uma foto, um título duvidoso e uma descrição curta. Algo que toma cerca de 15 minutos de um macaco para ser fabricado.

Em qual dos dois cenários você geraria mais cliques: no texto ou no link duvidoso? Perguntinha fácil – eis a resposta:

POST 1:  http://mrsalles.com.br/2013/08/23/a-midia-fascista-nao-precisa-de-voce/
Publicado em 23/08. Visualizado por 20 pessoas até as 18:00 do dia 25/09

POST 2:  https://www.facebook.com/marcio.salles/posts/664538170232446
Publicado em 25/09. Visualizado por 1.543 pessoas até as 18:00 do dia 25/09

Pode ser porque é mórbido, ou porque é uma diva pop, ou por ser um fato triste pra caralho. Pode ser por uma série de fatores. Mas responda para você mesmo, o que é mais importante: o papel da mídia no cenário político atual do Brasil ou a morte da Cher?

Você é livre para decidir que a morte da Cher é sim mais importante que tudo e pronto e que se dane esse blogueirinho de merda que acha que o texto dele é mais importante do que a morte da diva. Não precisa ler o meu texto chato sobre política, mas a crítica aqui é outra: não deixe de refletir sobre os assuntos você tem dado audiência, às vezes sem perceber.

E pra finalizar, um toque de amigo:

PFVR, PARE DE LER SÓ O TÍTULO!

Se algo parecer do seu interesse, pare para ler. Se não puder, guarde para ler depois. Mas jamais leia apenas o título e parta para o comentário/like em vão. Você é mais inteligente do que isso: dê valor para a sua opinião. O motivo pelo qual os conteúdos hoje são tão rasos é exatamente porque nosso padrão de exigência desceu. Nós somos os responsáveis por isso, mas nós podemos mudar.

NÃO ACEITE INFORMAÇÃO DE DESCONHECIDOS

Parece conselho de mãe, e realmente é: quando vir alguma informação suspeita ou estranha, busque por outras fontes – em especial as fontes tradicionais. A grande mídia pode até ser duvidosa em relação a linha editorial, mas uma coisa que todas elas possuem é respeito pela audiência: apurar os fatos é condição sine qua non para qualquer grande produtora de conteúdos.

ENXERGUE SEUS AMIGOS E SEUS CONTEÚDOS

Esse buraquinho na sua barriga que representa o centro do universo é extremamente importante, cuide muito dele. Mas eventualmente busque ver nos conteúdos dos seus amigos algo diferente. Se a Geração Y está mesmo tão triste (como citado no começo deste texto), então dê mais valor para as suas amizades e tente derrubar esta camada de felicidade falsa que reina na internet. Compartilhe o que faz sentido e o que realmente vale a pena.

E lembre-se: sua opinião é
muito importante pra
ser jogada fora.