Fama na Internet – até quando?

Fama na Internet – até quando?

Você quer ter milhares de seguidores no Twitter, vários fãs no Facebook, cria perfis indicando serem “oficiais” e roda script para alcançar estas metas:

PARABÉNS, VOCÊ É UM BOSTA. 

Wannabes Hypes na porta da balada. Foto: Reprodução

O problema da “fama” na internet é que ela é tangível, possível, alcançável. O mundo vive hoje de Tessálias, PC Siqueiras e Garotos Xuxa, que acabam ganhando fama repentina online e offline, aparecem na TV e que, aparentemente, não têm nada de especial. Na realidade são até bem comuns.

Mas antes que eu gaste mais 500 caracteres sobre tudo isso, eu preciso ressaltar que eu não tenho uma visão completa do que é ser famoso – porque não sou e adoro esse status – e seria idiotice minha dar a minha impressão sobre o assunto. O que me incomoda são os “wannabes”, aqueles que correm atrás da fama como se ela fosse o objetivo da vida delas, e que estão em toda parte.

Para alcançarem seus objetivos eles se tornam arrogantes, pedantes e, principalmente, vazios. De tanto tentarem ser algo que não são, acabam perdendo sua essência e adotam uma postura reativa, parecida com o que eles enxergam no Youtube ou na Timeline. Pois aprendam: por trás de um vídeo, tuíte ou post, existe uma vida inteira que você teria que imitar.

A falta de amor próprio dos wannabes, na minha opinião, merece bullying. Então, quando você detectar um wannabe surtando na sua timeline, ganhando 30.000 novos seguidores em um dia, ou mesmo falando a famosa frase “CURTIU? COMPARTILHA AÊ!”, mande essa hashtag pra ele: #HASHTAG

Sim, #HASHTAG é redundante, é simples… é vazia. É uma metáfora sobre as pessoas que ficam assim, atrás de algo que – quando tem que acontecer – simplesmente acontece.