O mito da balada e outras besteirinhas

Quem precisa sair de balada para se divertir na noite paulistana está precisando enxergar novos horizontes. Quantas vezes não ouvimos nossos amigos falando que determinada balada é sensacional, a música é ótima, o povo é bonito, e pensamos “ah, tah“.

Tá, não vou mentir, sair de balada é uma delícia. Divertidíssimo. Mas não é a única coisa que se pode fazer numa cidade de 1.523 km² e com uma vida noturna relativamente alta para uma cidade que não é totalmente 24h.

Se você parar um dia, no meio de uma balada, e pensar “nossa, eu poderia ter feito algo mais legal hoje“, faça uma coisa por você: SAIA DELA. Um dos melhores lugares que eu já fui para conhecer pessoas legais é o bar. Mas se você não quiser beber, procure um lounge ou mesmo um café. As pessoas que gostam de conversar estão lá, e não na balada.

Outra ótima opção é um get together em casa. Coloque uma lista de músicas bacana, ou peça para os seus amigos colocarem músicas deles. Dividam uma pizza, comprem algumas garrafas de vinho e cerveja, ou coloque aquele seu lado barman pra funcionar e invente drinks. Uma dica:  convide poucos amigos, para evitar o barulho alto.

Fugir do agito também é uma opção: sua cama é quente, confortável, e acordar cedo no final de semana tem seu lado positivo. Andar pela Paulista, Oscar Freire, Pq do Ibirapuera, comer no Mercadão, uma salada e um sucão no Bagaço, exposições, teatros, cinemas… Programas não faltam.

Independente do que você escolher, não se esqueça: seus amigos é que fazem a diferença nos seus programas. Mas não se esqueça que os seus programas são o que definem você, e quem são os seus amigos.