O resultado das eleições e a necessidade de aceitar

O resultado das eleições e a necessidade de aceitar

Se a maioria decidiu, está decidido.

Não vou dar murro em ponta de faca ou apontar dedos por aí. Vivo numa democracia, e o povo decidiu seus representantes de forma democrática e justa.

Aceitar derrotas também faz parte de ser um humano que vive bem em sociedade.

Encarar os resultados das eleições desta forma não me faz ser a favor, nem contra. A única coisa saudável  que posso fazer agora é esperar que eu estivesse errado, e que a maioria é quem estava certa o tempo todo. E realmente rezar para ser isso.

Claro, não deixo de  pensar que talvez eu tenha que me mudar de país. Afinal, algumas escolhas me deixaram claro que aqui talvez não seja um bom lugar para eu criar minha família no futuro. Faz parte da derrota entender que talvez as minhas ideias não estejam de acordo com o país que me cerca, e encontrar meu próprio caminho.

Política, Fé e Futebol

Estranhamente as eleições nos mostraram que o brasileiro é tão xiita em relação à política quanto sua religião ou seu time de coração. Para nós é difícil aceitar uma opinião contrária, complementar ou suplementar à nossa. Afinal, somos todos infalíveis.

Há quem diga que votar no Tiririca é burrice, outros falam que é uma forma de protesto. Alguns defendem: afinal ele foi, durante seu mandato anterior, um dos únicos Deputados Federais a comparecem em todas as plenárias. Ele também apresentou projetos de lei voltados para as artes circenses e educação. Duas áreas que ele, como palhaço e analfabeto, conhece as dificuldades.

Você pode achar o cúmulo e discutir até não ter mais ponta de dedo ou corda vocal, mas alguém o Tiririca representa: sejam os palhaços, os analfabetos, os insatisfeitos ou mesmo os que acreditam que uma pessoa simples pode fazer a diferença.

#VemPraRua

Eu sou da época que governante ruim era deposto. Eu era pequeno, mas me lembro perfeitamente do Impeachment do Fernando Collor. Acredito que tanto faz se é Dilma ou Aécio, caso o próximo presidente faça um trabalho ruim o povo vai voltar para a rua. E não há mídia que segure!

Mas ainda tenho esperanças disso não ser necessário. Desejo que os representantes eleitos – mesmo não sendo os meus – façam a sua parte, e representem o nosso país com ética e respeito, acima de tudo. Afinal, meu dinheiro insatisfeito também paga o salário deles.

Pelo menos por enquanto…